quinta-feira, 30 de Março de 2017

 


Estudo identifica genes relacionados com o cancro da mama






Trata-se do estudo mais exaustivo até à data e foi liderado por Michael Stratton, diretor do Instituto Sanger, em Cambridge. Em declarações à cadeia pública britânica BBC, Stratton disse que a descoberta "é um marco significativo para a investigação do cancro".

"No fim do século passado, fomos capazes de identificar os primeiros genes individuais mutantes. Agora, com a nossa capacidade de sequenciar todo o genoma de um grande número de cancros, estamos no caminho para criar uma lista completa destes genes mutantes do cancro", explicou.

A equipa internacional de cientistas examinou os 3.000 milhões de letras que compõem o código genético em 560 casos de cancro da mama (556 mulheres e quatro homens), encontrando um total de 93 conjuntos de genes que, se mutarem, podem causar tumores.



Referências

  1. Landscape of somatic mutations in 560 breast cancer whole-genome sequences